Coluna do Pagliosa

SURPRESAS E OPORTUNIDADES

Na primavera de 1975, eu recebi uma grande oportunidade.
Fui convidado para trabalhar na Fábrica de Rações da Sadia, em Concórdia, SC, Empresa onde eu já trabalhava por quase três anos. Eu aguardava por isso… E o momento chegara… Mas, conhecia pouco de nutrição animal e de fábrica de rações…
Problemas novos exigem princípios novos, e a responsabilidade que depositaram em mim exigiria muito esforço e dedicação. Eu entendia que estava posicionado dentro de área crucial para as Organizações Sadia, com uma extraordinária dinâmica, muita inovação científica e tudo me empolgava. Eu queria desafios!
E logo percebi que havia muito por fazer… A agradável surpresa foi entender que havia dezenas e dezenas de ajustes finos a realizar…
Melhorar, o que já era muito bom!
Sim, as rações da Empresa eram excelentes, e os resultados zootécnicos eram os melhores do país, portanto a minha percepção era: Tinha que aprimorar aquilo que já era muito bom.
A surpresa e o inesperado para mim, foi perceber que havia muita folga de qualidade, isto é, o nível bom de nutrição para determinado nutriente era, digamos, dez e trabalhávamos com onze. Margem de segurança de dez por cento sobre um requerimento nutricional. Isso era assim em todas as rações comerciais… Nas rações das granjas da Empresa, a margem de segurança era ainda mais alta.
Uma ocasião eu questionei minha chefia nestes termos: Porque o nível de aminoácidos sulfurados nas dietas de suínos é tão alto? E informei que não havia nenhuma necessidade de suplementar metionina sintética naquelas dietas.
A resposta: Nós preferimos trabalhar com margem de segurança… Há muita variação de qualidade nas matérias primas… A gente gasta um pouco, mas… BINGO! Que enorme oportunidade… Ali estava a chave de grandes economias… Eliminar as variações, afinar os padrões de qualidade e diminuir as suplementações, operando com requerimentos nutricionais estipulados pelo National Research Council dos USA que eram a nossa referência…
Meus caros leitores, as surpresas são as coisas mais previsíveis no mundo dos negócios.
E comecei a fazer testes, e fui diminuindo os níveis daqueles nutrientes que estava seguro que poderiam ser baixados. E acompanhava a resposta nos lotes de frangos e de suínos…
Eureka… Tudo normal… Eu baixava índices nutritivos e os animais respondiam com performance excelente porque o pecado era por excesso… Gastava-se muito por excesso de zelo e cuidado… Mas o preço era grande porque as produções eram enormes…
Gary Hamel, em seu livro, O Futuro da Administração, frisou: “Em uma época de mudanças excruciantes e hipercompetição, as capacidades humanas mais valiosas são aquelas menos administráveis.” Confesso que eu não era nada administrável. Não era porque estudava e sabia que podia fazer mais com bem menos…
Sim, porque qualquer animal precisa metabolizar excessos e isso custa energia… Perde-se aqui e acolá… E eu seguia baixando níveis nutritivos de todas as rações, sempre sem o consentimento de meus pares e principalmente de minhas chefias. Mas eu sabia que tinha que continuar a cortar gorduras em excesso.
Quando acreditamos em nós mesmos, e temos o aval daqueles que sabem das coisas, precisamos revolucionar o que fazemos. Devemos adotar ideias, as vezes contrárias as correntes da administração e de nossas chefias, se quisermos ter sucesso em nosso trabalho.
Se estou pleno de razão em algo, como posso recuar? Se tenho informações confiáveis de cientistas que corroboram que posso trabalhar com menos, porque RAIOS vou trabalhar com mais e encarecer o produto final?
E, no final era só alegria! Inovações criam surpresas e nossos cérebros amam surpresas positivas… Mesmo que ninguém o valorize pelos riscos que enfrentou, você sabe que fez a coisa certa… Você sabe que cumpriu bem o seu papel. O resto, é resto!
Sempre que nos deparamos com algo que pode ser melhorado, precisamos trabalhar por esta melhoria. Se não fizermos isso, alguém fará! E este alguém levará os louros…
As inovações transformam as pessoas e transformam as Empresas…
É preciso desafiar o “status quo” quando posso melhorar algo que o sistema não permite mudar. Ora, é isso que movimenta o mundo. Isso é PROGRESSO!
Todos aqueles que inovam sempre tem dúvidas, e isso é normal. O desafio é saber trabalhar bem a ambiguidade e a dúvida, equilibrando-as com sabedoria. E ter a coragem e a determinação de levar o projeto em frente… Pensando em progresso e em bem comum.
Hoje estou em Concórdia, a cidade berço da SADIA. É muito bom estar aqui… É muito bom recordar algumas coisas que fiz aqui… É bom recordar que não me acovardei…
E agradeço a Deus por tudo… Aleluia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: