O execrável atentado terrorista de Londres, por Rodini Netto

Rodini Netto (*)

O atentado de Londres é o mais recente, portanto, é dele que vamos falar, já adiantando que todo o tipo de atentado em qualquer lugar do mundo, é um ato execrável.

Em um mundo globalizado, como o em que vivemos, já não é possível pensar que um atentado não nos incomode. Pela lógica do radicalismo islâmico, qualquer cidadão do ocidente pode ser uma vítima em potencial, seja no Oriente Médio, na Europa, na Ásia, Áfricas ou Américas. Não há um conceito qualquer que possa diferenciar as vítimas, a não ser o fato de não serem muçulmanos… e mesmo em relação a estes, o radicalismo islâmico trata de, por vezes, os atingir, por suas diferenças culturais e religiosas (na forma como cultuam ao seu deus Aláh).

Desde o 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos, a intensificação do medo é uma constante. Já não se viaja de avião sem preocupação, além daquela de que o avião possa sofrer por problemas que não sejam uma bomba, por exemplo. O mesmo, na realidade, pode-se dizer de qualquer meio de transporte. Até porque, agora, uma Van (Carrinha em Portugal), que é um modelo de carro mais acessível a todos, já não explode, como acontece com mais frequência no Oriente Médio, mas é usado para atropelar pessoas e causar mortos e feridos.

A ideia de que estamos seguros em algum lugar, já não é verdadeira, seja nas cidades mais violentas do Brasil ou nas cidades mais seguras da Europa, porque um bando de alucinados, cegos pelo radicalismo que apregoam, sai por aí a explodir-se, a derrubar aviões, a disparar, a esfaquear, a atropelar… onde é que estamos seguros?

São atos execráveis… dignos de condenação, e de uma ação mais pró ativa da sociedade em relação aos cuidados para com as pessoas. Com isso, perde-se a liberdade de não querer ser filmado, tendo em conta a necessidade de implantar sistemas de vídeo-vigilância em todos os lados, para tentar minimizar a ação de pessoas para lá de mal intencionadas.

O medo de um ataque terrorista é tanto, que em Torino, a multidão acabou por assustar-se com uma explosão (provavelmente de fogos de artifício), após o terceiro gol do Real Madrid, o que levou a um pânico generalizado, deixando mais de 1500 feridos que foram pisoteados, três deles em estado grave, como foi informado pelas autoridades locais.

Não estamos seguros em lugar algum… a panaceia da segurança é vendida como se qualquer outra cidade, estado ou país fosse melhor para se viver… mas onde há extremistas (e os há em todas as vertentes ideológicas, políticas, religiosas), não estamos seguros em qualquer que seja o lugar para onde vamos… só nos resta nos adaptarmos a cada realidade e conviver com o medo.

No entanto, não há como não condenar a imbecilidade de se matar pessoas, seja com uma bomba, com um carro, com um avião, com uma faca… matar alguém é a bestialização do ser humano. Matar uma só pessoa é inaceitável.

O terrorismo é execrável, seja ele em que nível for… onde há uma ou várias vítimas, o ato terrorista sempre será execrável.

A cada ato terrorista acabamos nos perguntando se há alguém que conhecemos que pode estar nas proximidades, ou poderia estar naquele exato lugar. Em Londres, em fevereiro, estávamos na London Bridge. Poucas semanas depois de passarmos por ali, os terroristas utilizaram de um ônibus (autocarro em Portugal), para cometer um ato terrorista que tirou a vida de várias pessoas.

Só podemos pedir orações em favor dos feridos e das famílias que por aqui ficam, para que, de alguma forma, possam encontrar o consolo e forças para prosseguir.

Contra o medo, só a segurança em Deus de que temos a certeza, em fé, de nossa Salvação, e que se algo nos acontecer estaremos com Cristo, no Paraíso e, por isso, podemos andar de cabeça erguida e em uma Segurança que o mundo não possui. Porque se tombarmos, em algum momento, poderemos já deixar escrito, como o Apóstolo Paulo: “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.” (2 Timóteo 4:6-8).

(*) Rodini Netto, 46, Casado, brasileiro/português. É jornalista de profissão (Brasil), Diretor do Jornal Diário de Piraquara. Editor do Blog Meandros da Política.

===>>> É missionário em Portugal por amor a Cristo!
www.culturadoreino.pt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: